Notícias

Fique por dentro do mercado agropecuário.

ABASTECIMENTO DE MILHO

Quarta-feira, 15 de Junho de 2016

Nutri Meurer - Grão-Pará - SC.

Santa Catarina se prepara para discutir o abastecimento de milho. Nesta terça, dia 14, a partir das 9h, acontece em Florianópolis o Fórum Catarinense do Agronegócio, o setor vai discutir propostas para equacionar a oferta do cereal frente à instabilidade da economia, a elevação do volume exportado e o alto preço do grão. O estado consome 6 milhões de toneladas, mas produz menos da metade.
A Federação de Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (Faesc) propõe a continuidade do programa de incentivo ao plantio. Mas com mudanças que permitam alcançar um milhão de toneladas a mais já na próxima safra. Para o vice-presidente da entidade, Enori Barbieri, dessa forma, os produtores terão segurança para aumentar a área.
“Nós precisamos que o governo federal garanta que o produtor de milho vai encontrar recursos suficientes no banco para financiamento do seu custeio em 100% da sua necessidade, com juros equalizados”, diz Barbieri.
O representante da Faesc é contrário á redução do volume de milho exportado. De acordo com ele, o Brasil não pode perder a posição de segundo maior exportador mundial. E, para isso, é preciso aumentar a produção.
Neste momento, o objetivo do setor é sensibilizar o governo federal. Se confirmada a presença no fórum do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, ele volta a Brasília com demandas importantes – entre elas, o pedido de aumento dos estoques da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e a eliminação dos impostos para a importação de milho.
De acordo com o presidente do Fórum Catarinense do Agronegócio e presidente da comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, Natalino Lázare, o estado tem um déficit anual de cerca de 3 toneladas de milho por ano. Ele acredita que é preciso deixar de “atuar como bombeiro” para atender às demandas do estado.
“Temos que fazer com que o abastecimento seja feito por aqui mesmo, e que não haja necessidade de trazermos milho de outros países ou mesmo do Centro-Oeste, o que aumenta o custo”, afirma Lázare.
O setor também quer investimentos na suinocultura, que enfrenta forte crise. Alguns assuntos que interessam aos produtores estão pendentes desde que Kátia Abreu deixou o ministério. Um desses temas é o programa de financiamento para retenção de matrizes do Banco do Brasil. Segundo Natalino Lázare, o programa já foi liberado pelo Conselho Monetário Nacional, mas ainda enfrenta entraves burocráticos.

Voltar

Nossos Serviços

Central de Sêmen Suíno Registrada MAPA

Todos os machos da central são da Linha Prêmio.
Ver mais